• Portal Vale dos Pireneus

Por suspeita a envolvimento em rachadinha, a justiça afasta vereador de Cristalina-Go

O Parlamentar Pablo Rocha teve seus bens bolqueados, mas deve continuar a receber a sua remuneração até a conclusão do processo.



A justiça aceitou o pedido do Ministério Público nesta sexta-feira (24) e, conforme sustentado na ação de improbidade administrativa, além do vereador, o ex-secretário de esportes Vinícius Alexandre Soares Batista Abujamra também está envolvido no esquema de rachadinha, quando o servidor repassa parte do salário para quem o contratou.


Conforme decisão do juiz Thiago Inácio de Oliveira da 2ª promotoria de justiça da cidade, além do afastamento, o parlamentar teve o congelamento de seus bens no limite de R $ 74.488,77. Já o ex-servidor teve bloqueio até o limite de R$ 24.829,00.


De acordo com o promotor, autor da ação, Ramiro Carpenedo Martins Netto, um valor de R$ 24.829,59 foram recebidos ilicitamente por Pablo Rocha Magela através do esquema com Vinícius Abujamra.


O promotor também esclareceu que a operação foi resultado de fatos descobertos na investigação criminal, o que acabou levando à eclosão da Operação Toma Lá Dá Cá, em março deste ano. Naquela época, ordens de busca e apreensão foram emitidas a cinco parlamentares e dois funcionários públicos, e três parlamentares foram colocados em detenção preventiva.


De acordo com as ações do MP-GO, os depoimentos coletados nas investigações civis e criminais iniciadas pelo MP-GO e os extratos bancários do pessoal envolvido apontaram violações de ambas as partes participaram do plano. Um dos depoentes esclareceu que a “rachadinha” não se restringia aos servidores comissionados, uma vez que também os efetivos que recebem gratificações acabavam destinando parte dessa verba aos vereadores.


Também foi descoberto que saques bancários, depósitos e transações de transferência de valor foram realizadas entre os réus. Por exemplo, foi mencionado que Vinícius sacou 5.629,59 reais em 20 de dezembro de 2018 e depositou o mesmo valor na conta de Pablo Magela no mesmo dia. Além dessa transação bancária, várias outras transações foram apresentadas no processo, sempre conduzidas da mesma maneira: Vinícius geralmente retira dinheiro no dia do pagamento e depois deposita na conta de Pablo.


Para Ramiro Carpenedo, pode-se afirmar que, no mínimo, R$ 24.829,59 foram recebidos ilicitamente por Pablo Magela através do esquema com Vinícius Abujamra. Além disso, interceptação telefônica autorizada judicialmente pela Vara Criminal demonstrou que Pablo já tinha conhecimento da investigação e adotou medidas para apagar provas que pudessem incriminá-lo.

SIGA A GENTE EM NOSSO INSTAGRAM:

@portalvaledospireneus



Quer ser um parceiro do nosso portal?

entre em contato conosco via e-mail:

portalvaledospireneus@gmail.com

165 visualizações0 comentário