• Portal Vale dos Pireneus

Padre Robson e mais 17 pessoas se tornaram réus por desvio de milhões

Serão julgados pelos crimes de organização criminosa, apropriação indébita, falsidade ideológica, e lavagem de dinheiro


O padre Robson de Oliveira e outras 17 pessoas se tornaram réus após a juíza Placidina Pires aceitar a denúncia feita pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO). Eles são acusados dos crimes de organização criminosa, apropriação indébita, falsidade ideológica e lavagem do dinheiro ofertado por fiéis à Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe).


A defesa do padre Robson de Oliveira disse que “nada mudou" após o início do processo criminal no TJ-GO: "Continuamos tranquilos. Nunca houve ilegalidade". O advogado Pedro Paulo de Medeiros complementou que o TJ-GO decidiu, "por unanimidade, que não tem crime nenhum", se referindo à decisão que bloqueava a investigação, a qual está em análise no Superior Tribunal de Justiça.


Na decisão, a magistrada cita que recebe a denúncia "principalmente diante da existência de elementos probatórios acerca da materialidade delitiva e indícios suficientes de autoria".


A denúncia foi realizada na última segunda-feira (7), no âmbito da Operação Vendilhões, deflagrada no mês de agosto, que apura desvios de R$ 120 milhões doados por fiéis à Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe). O dinheiro era para a construção da nova Basílica, na cidade de Trindade, na região metropolitana de Goiânia, mas, segundo os promotores, teria sido desviado e usado na compra de bens, como fazendas e casa na praia, com a utilização de laranjas.


O Ministério Público aponta o padre Robson como "líder do suposto grupo criminoso", e transferia grandes valores para empresas, com o objetivo de utilizar o dinheiro das entidades como se fosse seu, sem prestar contas nem se submeter às regras associativas. Inclusive, consta na denúncia que o sacerdote comprou uma casa para os pais, no valor de R$ 1,1 milhão, com dinheiro dos fiéis.




Siga nossas redes sociais:

@portalvaledospireneus




25 visualizações0 comentário